Neymar não é mais um menino.

Foto: Divulgação

Por: Samuel Oliveira
FutebolNews

"O menino Neymar não existe mais". Galvão Bueno pontuou muito bem, na entrevista ao Jovem Pan Sports, aquilo que todos os brasileiros - hipnotizados pela fama futemarketeira do jogador - precisam saber. De fato, Neymar não é mais o "menino Neymar". Já tem 27 anos, dez deles já de carreira profissional.

Ainda mantendo o espírito de "criança mimada", acobertada pelo pai "babão", Neymar precisa se esquivar da fama de "menino" e "pobre coitado" se quiser atingir o sonho da carreira. Sim, o prêmio de melhor do mundo é obsessão, por mais que seja difícil, para o jogador. Para atingir tal patamar obtido por Romário, Rivaldo, Ronaldo, Kaká e Ronaldinho, Neymar terá que ser aquilo além de fotos bonitas nas redes sociais.

Capitaneando o estilo futebolístico "ousadia e alegria", Neymar tem que colocar em sua cabeça que fazer firulas para irritar adversários já não faz mais parte do repertório do futebol mundial. Isso explica o fato de lesões que o quase fez perder a Copa de 2018 (futuramente, não estando no jogo decisivo das oitavas da UEFA Champions League de 2017-18, contra o Real Madrid) e também que o fez perder dois jogos da mesma fase na Champions dessa temporada, contra o Manchester United. A diferença é que o time já sabe jogar sem seu ex-manda chuva, ganhando os Red Devils no primeiro embate, com sua nova principal estrela, o campeão mundial Kylian Mbappé.

O que os cinco brasileiros citado acima tinha em comum em suas épocas? Venceram o prêmio diante de vários candidatos do mesmo nível. Nos dias atuais, o prêmio de melhor jogador do mundo parecer ser um combinado entre Cristiano Ronaldo e Messi. A atual vitória de Modric foi um erro de percurso. Ou fez aquilo que Neymar não fez, que é jogar mais bola em campo e investir menos em marketing fora dela.

É difícil ser Neymar, Edu Gaspar? Não. O difícil é alguém mostrar que não é de festinha e popularidade virtual que se faz um Bola de Ouro. Messi não o fez e o futebol pífio francês não o fará.

0 Comentários