FUT HISTÓRIA - Hertha e Union Berlin, grandes histórias separadas e unidas por um muro

Resultado de imagem para hertha e union berlin
Foto: Box to Box Football

Por: Gabriel Santos
FutebolNews

Apesar de serem 2 clubes sem muitos títulos, possuem uma história de se invejar, 2 clubes que têm torcidas apaixonadas e que durante a Guerra Fria ajudaram a derrubar o Muro de Berlim para poder assistir seus clubes. O FutHistória de hoje é sobre os dois principais clubes da capital alemã: Hertha e Union.

Começando pelo Hertha, um clube que surgiu em 1892, e que acabou fazendo sucesso e vencendo 2 títulos de Campeonato Alemão na década de 30, porém, após a Segunda Guerra, com a Alemanha e Berlim devastadas, um dos destroços da cidade acabou sendo o próprio estádio, o que fez o Hertha mandar seus jogos no Estádio Olímpico. Já após a guerra o Hertha enfrentou sérios problemas, pois como o time fez sucesso na época do 3º Reich, chamando atenção do regime nazista e o presidente da equipe era um membro do Partido Nazista, a equipe foi "desativada" pelos aliados.

Mas, em 1945 o clube voltou, com o nome de SG Gesundbrunnen e em 1949 voltou ao seu nome original. Com a cidade dividida, muitos jogadores da parte oriental moravam no Oriente e iam para o Ocidente para jogar pelo Hertha, mas depois de 1961, isso tudo ficava proibido, depois de tanta polêmica ali estava o Muro de Berlim, separando Alemanha Ocidental e Oriental, o que gerou inúmeros problemas ao Hertha, inclusive um dos ídolos da equipe, Klaus Taube foi proibido de jogar no Hertha, pois ele morava na parte oriental de Berlim, e o Hertha com tudo isso resolveu pagar a mais para os jogadores que decidirem passar por todo esse constrangimento da divisão, o que fez a equipe ser punida e ficar 3 anos sem disputar a Bundesliga.


Mas isso tudo trouxe o Hertha a seu grande protagonista: o torcedor. Os torcedores da parte oriental iam até o limite do muro para torcer pelo Hertha, escutando com seus radinhos e comemorando os gols junto com a torcida ocidental que assistia os jogos no Olímpico, e quando o clube participou da Copa da UEFA a torcida oriental finalmente tinha a chance de ver seu clube, quando a equipe ia jogar em países comunistas muitas vezes a torcida do Hertha era maioria no estádio, eles viajavam vários quilômetros para finalmente assistir o clube de coração.

Já o Union Berlin, o time do lado oriental, teve seu primeiro grande feito sendo vice-campeão do Campeonato Alemão de 1923, e acabou se popularizando entre as classes mais pobres da Alemanha, e a criação do estádio An der Alten Försterei ajudou nessa popularidade entre a classe operária, mas assim como no caso do Hertha, nem tudo foram flores. Apesar do time ser da parte oriental, disputaram partidas no território ocidental, peitando o regime autoritário que era imposto pela Alemanha Oriental e fundando um novo time na parte ocidental, Unio 06 Berlin. Com o tempo, o clube ocidental foi enfrquecendo, principalmente pelo Muro de Berlim, e então o clube oriental voltou a chamar as atenções.

A equipe sofreu diversas fusões, e em 1968 venceu seu único título sob o regime comunista, a Copa da Alemanha Oriental, surpreendendo o Carl Zeiss Jena na final, os anos foram passando, tensão dos dois lados aumentando, e em 1989, finalmente caiu o Muro de Berlim.

Após isso os clubes se estabeleceram, o Hertha na maioria das vezes na elite enquanto o Union disputou mais vezes a segundona, mas isso não apaga os vários feitos do Union, que por exemplo chegou a reformar seu estádio com o apoio apenas da torcida, com cerca de 2000 pessoas dedicando cerca de 140 mil horas de trabalho para finalizar a ampliação das arquibancadas, em 2004/05 os torcedores também organizaram uma campanha de doação de sangue para arrecadar fundos ao clube, e não satisfeitos, compraram ações para que a diretoria não precisasse vender os naming rights do estádio.

Mais um ponto a se destacar é o fantástico natal da torcida do Union. Em 2003 o clube vivia uma fase terrível na 2º divisão, e 89 torcedores foram ao An der Alten Försterei para cantar músicas natalinas e aumentar as energias do clube, o clube acabou caindo e só voltando em 2009, mas a celebração se tornou rotineira, os participantes foram aumentando ano a ano e atualmente são quase 30 mil pessoas.

Em 2015, o evento foi se tornando uma verdadeira festa de confraternização universal, de acordo com o espírito natalino. Refugiados da Síria, do Irã e de outros países foram convidados a participar. Pessoas de diversas etnias, nacionalidades e religiões se reúnem para conviver pacificamente e vivenciar juntos aquela experiência fantástica.

E não é só nisso que o Union vai além das quatro linhas: em 2007, atendendo pedido da torcida, o Union incluiu nos seus estatutos o seguinte artigo: "Todas as pessoas têm o direito à não discriminação, independentemente de sua cor, etnia, religião, ideologia, orientação sexual ou dificuldades especiais". Juntamente com a Associação LGBT de Berlim, o clube deu o pontapé inicial em novembro de 2011 a uma campanha de sensibilização referente à homossexualidade no futebol e frequentemente participa de eventos que abordam esse tema tão polêmico no meio do futebol.

Em dezembro de 2013, o clube estabeleceu uma parceria com o Colégio Salvador Allende, em Berlim, apoiando o projeto "Escola sem racismo – escola com coragem". O objetivo é sensibilizar os jovens a desenvolver desde cedo uma compreensão dos problemas que as minorias enfrentam não só na Alemanha, mas no mundo inteiro.
Além de todos esses projetos, o Union Berlin participa ainda de diversas alianças comunitárias que têm como objetivo promover a integração de refugiados na sociedade alemã. Tudo isso sem contar as iniciativas individuais de sócios do clube, engajados no trabalho de apoio aos migrantes que buscam reconstruir suas vidas em Berlim, vindos de países do mundo inteiro.
Atualmente o Hertha está em 10º na Bundesliga, bem no meio da tabela, e o Union está em 3º na segunda divisão, em busca do acesso que jamais ocorreu com a Alemanha Unificada.

0 Comentários